Resenha | A Fúria dos Reis, George R. R. Martin


Bastava proibir-lhe alguma coisa, e isso tornava-se logo o maior desejo de seu coração.

Sobre o livro
Terminei a leitura de A Fúria dos Reis a algum tempo, fiquei pensando e pensando em como fazê-la sem cometer muitos spoilers, mas por se tratar do segundo livro de uma série isso é quase impossível. Portanto essa resenha terá alguns spoilers do primeiro livro. Quem quiser conferir a resenha do primeiro livro, A Guerra dos Tronos, é só clicar aqui.
Em A Fúria dos Reis Westeros está em plena guerra civil, quatro Reis lutam pelo trono de ferro: Joffrey Baratheon, Stannis Baratheon, Renly Baratheon e Robb Stark.

Em Pedra do Dragão, o Rei Stannis precisa de um exército para reivindicar o trono de ferro e conta com a ajuda da misteriosa Melisandre, uma sacertodiza de R'hllor.
Em Porto Real, Tyrion Lannister ocupa o cargo de Mão do Rei. Além de amenizar os excessos de loucura do Rei Joffrey, ele precisa assegurar o trono de ferro e salvar Porto Real de uma provável guerra e declínio.
Em Ponta Tempestade, Renly Baratheon parte vagarosamente sobre Porto Real, mas precisa entrar em um acordo com  Stannis e Robb e assim garantir a sua coroa.
Robb marcha sobre Porto Real, ganhando todas as batalhas. Ele tenta fazer uma aliança com Renly Baratheon e envia sua mãe, Catelyn, para uma negociação.
Para conseguir uma aliança com as Ilhas de Ferro, Rob envia Theon Gryjoy para um acordo com o Rei Balon, porém suas duas tentativas de aliança não saem como o esperado.
Em Winterfell, Brandon Stark, se torna o Príncipe e Senhor do Norte.
Bran descobre que é um warg, habilidade de entrar na mente de pessoas e animais. Diferente do primeiro livro, ele tem papel ativo em A Fúria dos Reis e precisa enfrentar problemas que se abaterão sobre Winterfell.
Em Castelo Negro, o comandante Mormont reúne vários homens, incluindo Jon Snow, para uma expedição além da muralha afim de descobrir os estranhos acontecimentos do primeiro livro: os homens frios. Essa viagem irá mudar o rumo da história.
Arya continua a sua fuga para o Norte. Apesar de enfrentar diversos desafios e dificuldades, ela permanece determinada e se torna cada vez mais forte.

Quem ainda não leu o segundo livro e não assistiu a série, prepare-se para um novo "odiado". Não estou falando do Joffrey, mas sim do Theon Greyjoy. No segundo livro da série, ele infelizmente ganha voz. Theon quer ser reconhecido com Príncipe, mas por ter vivido em Winterfell por anos, o seu povo não o reconhece. Ele quer provar sua lealdade e sua força para a sua terra, Pyke, e seu pai. Nessa busca por reconhecimento ele passa por cima de tudo e de todos, sem remorso ou compaixão. 
Diferente do primeiro livro, Daenerys Targaryen, não tem muito espaço na sequência da série. Ela parte para Qarth a convite dos emissários da cidade:  Xaro Xhoan Daxos, Pyat Pree e Quaithe. Ela busca um exército para reinvidar o Trono de Ferro, porém não encontra a ajuda que procurava.
Daenerys precisa enfrentar os perigos que cercam ela e os seus dragões.

Minhas Impressões
O segundo livro de As Crônicas de Gelo e Fogo segue o mesmo padrão que o primeiro, é narrado em primeira pessoa através da perspectiva de vários personagens. 
A Fúria dos Reis é eletrizante, quando terminei o primeiro livro fiquei ansiosa pelo segundo, pois não podia esperar um dia para saber o desenrolar da história. Ainda quero saber o desenrolar, pois ao final do segundo livro fiquei mais ansiosa do que antes. 
O Martin, como sempre, me fez sofrer horrores e me encantou com uma história de tirar o fôlego.
Nem preciso dizer que recomendo! 

****

Ficha técnica
Livro: A Fúria dos Reis
Autor: George R. R. Martin
Editora: Leya
ISBN: 9788580440270
Páginas: 656
Share on Google Plus

Sobre Francine Nunes

Quase química. Amante de livros, séries e filmes. Assim como o Cazuza, meus heróis morreram de overdose. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

0 comentários :

Postar um comentário