A Máscara Imposta


Ah! A pele que habito
Ela dita tantas coisas
A água que parece pedra
A ingenuidade que parece promiscuidade

Não há escapatória para ti
Não adianta gritar
A fantasia se tornou realidade
Nunca enxergarão a ti

Quem poderia enxergar?
Depois dos dados lançados não há volta
Tomam-te pelo que não és
E logo te tornas aquilo

Pertences a este grupo, pequena
Caístes nos preceitos errados
Tens que lidar com isso
Foste lançada na água salgada

Não podes adaptar-se, vai perder-se

(Francine Nunes)
Share on Google Plus

Sobre Francine Nunes

Quase química. Amante de livros, séries e filmes. Assim como o Cazuza, meus heróis morreram de overdose. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

2 comentários :

  1. Olá, Francine! Que linda poesia! Adoro quando as palavras se encaixam e parecem que nunca mais deveriam ser usadas de uma outra forma! <3 Bjs

    www.bibliophiliarium.com

    ResponderExcluir