Resenha | A Herdeira, Kiera Cass



"Não sei se alguém sabe o que procura até encontrar."

Sobre o livro
Em A Herdeira, vinte anos se passaram desde a última seleção. America Singer e Maxon Schreave governam Illéa e possuem quatro filhos: Os gêmeos Eadlyn e Ahren, posteriormente Kaden e Osten.
Eadlyn é a primogênita e futura rainha por ter nascido sete minutos antes do irmão.
Illéa não possui mais um sistema de castas, mesmo assim não está em paz, vários levantes começam a surgir.
Um dos motivos é o preconceito, pois depois da dissolução das castas se, por exemplo, um 8 tentasse trabalhar em um emprego que antes era proibido poderia até ser assassinado por pessoas que eram preconceituosas.
O Rei Maxon precisa encontrar um solução para todos esses problemas, porém ele necessita de um tempo para encontrar essa solução e é nesse momento que ele propõe à futura Rainha, Eadlyn, uma seleção para distrair o povo temporariamente.
Agora uma nova seleção começou e Eadlyn precisa escolher entre 35 garotos o seu futuro marido, mas ela não quer um futuro marido o que faz essa seleção ser muito diferente da anterior.

Minhas Impressões
Apesar da mesma temática, A Herdeira é bem diferente dos outros três livros, isso se deve à protagonista e a inversão do ponto de vista, agora veremos a seleção pelos olhos do selecionador.
Eadlyn é mimada e em muitas ocasiões intragável, é até compreensível seu temperamento e atitudes, afinal ela será a próxima Rainha.
Eu concordo com o ponto de vista da protagonista quanto ao casamento através de uma seleção, mas o que me irritou foram as pequenas atitudes, porém acho que esse foi um ponto positivo no livro, podemos acompanhar um amadurecimento da protagonista que, acredito, será mais acentuado no próximo livro.
Eu gosto de acompanhar conflitos internos e psicológicos, a Kiera Cass me surpreendeu.
Recomendo o livro e espero que o segundo seja tudo o que estou esperando...

****
Ficha técnica
A Herdeira, Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 361
ISBN: 9788565765657
Share on Google Plus

Sobre Francine Nunes

Quase química. Amante de livros, séries e filmes. Assim como o Cazuza, meus heróis morreram de overdose. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

2 comentários :

  1. Oi Francine! Eu acabei de ler esse livro esses dias e tive uma opinião parecida com a sua. Apesar da Eadlyn ser insuportável isso só me fez gostar mais dela porque foge dessas protagonistas fofinhas e sofredoras (America era uma dessas aliás). Gostei muito de como se deu o desenvolvimento dela, da forma que ela aos poucos começa a desfazer a armadura que ela tem no coração. O fato dela ter dificuldade de demonstrar sentimentos me fez achar ela muito real e muito madura, esse livro até agora foi o que eu mais gostei da série.
    Abraços!
    www.rascunhocomcafe.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara!
      A escrita da Kiera está bem melhor! Ela conseguiu nos mostrar um personagem e amadurecê-lo durante a trama, com certeza esse foi um ponto positivo =D
      Abraços e obrigada pela visita ^^

      Excluir