Creepypasta | Meia Noite


Lena tinha 10 anos e morava com seus pais em um pequeno subúrbio de São Paulo. Ela tinha uma irmã gêmea chamada Lorena, apesar de serem gêmeas elas não se pareciam. A diferença entre elas era tão grande que não pareciam sequer irmãs.

Lena sempre fora sensitiva, desde a tenra idade visualizava vultos e ouvia vozes onde não havia ninguém.
Apesar desse dom estranho ela levava uma vida normal, gostava de brincar com a sua irmã e assistir desenhos animados.
A sala da sua casa era pequena, por esse motivo a televisão ficava em frente da janela. Um dia ela estava assistindo um dos seus desenhos favoritos quando ouviu a cortina da sala de estar se mexer abruptamente, imaginando ser o vento ela foi fechar a janela, mas esta estava fechada. Ela voltou ao sofá apreensiva, pois era comum coisas estranhas ocorrerem em sua casa. Tentou prestar atenção ao desenho. Foi inútil, ela não conseguia se concentrar, vez ou outra olhava para a janela, que estava com a cortina um pouco aberta.
Em uma das vezes voltou o olhar abruptamente e viu uma garotinha abaixar a cabeça rapidamente do lado de fora. Ela via o topo da cabeça nitidamente, avançou devagar e a cabeça desapareceu como por mágica. Ela se benzeu como sempre fazia e tentou esquecer o ocorrido.

Diferente de Lena, sua irmã não via vultos ou vozes. Muitas vezes Lorena dizia que a irmã inventava mentiras para chamar atenção. Lena se sentia magoada com isso, mas tentava ignorar.
Apesar de não ser sensitiva, Lorena tinha um hábito estranho, todas as noite à meia noite ela levantava e falava coisas sem sentido. Sua mãe não dava importância, pois sonambulismo era algo comum em crianças. Sempre que Lorena levantava, Lena mandava ela se deitar e Lorena obedecia resmungando.
Em uma dessas ocasiões Lorena não obedeceu a irmã e começou a gritar:

- Verme! verme! você é um veeeeeeeerme!

Lena ficou sobressaltada, mas sua mãe apareceu e mandou Lorena se deitar. Esta mudou o comportamento na mesma hora e obedeceu, porém antes de adormecer ela olhou para Lena e deu um sorriso sombrio.

Depois dessa ocasião, Lorena tentava ignorar o sonambulismo da irmã e quando esta levantava, ela fingia que dormia.
Lorena já estava se acostumando a ignorar e muitas vezes nem acordava com os gritos e andanças da irmã.

Passou-se vários dias sem que Lorena acordasse à noite. Ela raramente via vultos e seus sonhos estavam tranquilos e felizes.
Como várias outras noites, neste dia, ela foi dormir se sentindo em paz.
Nessa noite ela teve um sonho saboroso, sonhou que comia uma deliciosa pizza de mussarela. O queijo estava com um sabor indescritível, ela nunca provara uma pizza assim!
Quando terminou de comer ouviu uma voz ao longe: "Veeeerme..."

Ela começou a voltar a realidade, estava um pouco sonolenta e a primeira coisa que viu quando abriu os olhos foi o rosto da irmã.
Lorena olhava para ela com o mesmo sorriso sombrio do outro dia.
Lena se arrepiou, mas resolveu ignorar como das outras vezes, porém a irmã sussurrou bem devagar:

- Gostou... da... pizza?

E começou a rir histericamente.

Lena ficou boquiaberta e sentiu todos os pelos do seu corpo se arrepiarem. Correu para o quarto dos pais chorando desesperada.

Daquele dia em diante não dormiu mais com a irmã.

Lorena nunca se lembrou do fato.
Share on Google Plus

Sobre Francine Nunes

Quase química. Amante de livros, séries e filmes. Assim como o Cazuza, meus heróis morreram de overdose. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

0 comentários :

Postar um comentário