Conheça 15 Livros Sobre O Holocausto

O Primeiro livro que li sobre o tema foi A Menina Que Roubava Livros em meados de 2010.
Depois disso li outras obras, assisti alguns filmes e em todos eles me emociono.
O último filme que assisti foi A vida É Bela, lindo, lindo... Recomendo para todos!!!


Por me interessar pelo tema, eu estava fazendo uma lista de livros que ainda não li e pretendo ler, aí eu pensei: Por que não compartilhar no blog? E aqui estou...
Separei quinze livros sobre o tema, alguns eu já li e outros pretendo ler.
Espero que gostem e me indiquem livros também =D

A Bibliotecária de Auschwitz
SINOPSE: Um emocionante romance baseado na história verídica de uma jovem checa, a bibliotecária do Bloco 31, de Auschitwz – Dita Dorachova - com quem o autor teve oportunidade de falar e que resgata do esquecimento uma das mais comoventes histórias de heroísmo cultural.
Auschwitz-Birkenau, o campo do horror, infernal, o mais mortífero e implacável.
O Bloco 31 tinha 500 crianças, e neste lugar onde os livros eram proibidos, a jovem Dita escondia todas as noites os frágeis oito volumes da biblioteca mais pequena, recôndita e clandestina que jamais existiu.
No meio do horror, Dita dá-nos uma maravilhosa lição de coragem: não se rende e nunca perde a vontade de viver nem de ler porque, mesmo naquele terrível campo de extermínio nazi, «abrir um livro é como entrar para um comboio que nos leva de férias».
Um livro diferente de tudo o que já leu sobre o Holocausto e de que poucos têm conhecimento. Pela primeira vez ficamos a saber da existência de livros num campo de extermínio.
Minuciosamente documentado, e tendo como base o testemunho de Dita Dorachova, a jovem bibliotecária checa do Bloco 31, este livro conta a
história inacreditável, mas verídica, de uma jovem de 14 anos que arriscou a vida para manter viva a magia dos livro, ao esconder dos nazis durante anos a sua pequena biblioteca, de apenas oito volumes, no campo de extermínio de Auschwitz.
Este livro é uma homenagem a Dita, com quem o autor tanto aprendeu, e à memória e valentia de Fredy Hirsh, o infatigável instrutor judeu do Bloco 31 que criou em segredo uma pequena escola e uma ainda mais minúscula biblioteca, apenas com oito livros.

A Lista de Schindler
SINOPSE: A história verdadeira deste homem que enfrentou perigos inacreditáveis e sacrificou tudo o que possuía, colocando em jogo a própria liberdade, para salvar mais de mil pessoas.
Partindo dos testemunhos dos Schindlerjuden - os judeus de Schindler -, Thomas Keneally compôs um romance notável e comovente, que retrata a coragem, a generosidade e a perspicácia de um herói em meio às cinzas do holocausto. Escrito com paixão, mas também com absoluta fidelidade aos fatos, A Lista de Schindler valeu a seu autor o cobiçado Prêmio Booker, da Inglaterra. Levado às telas com grande sucesso por Steven Spielberg, foi eleito o melhor filme de 1993 pela Associação dos Críticos de Nova York e de Los Angeles.


A Menina que Roubava Livros
SINOPSE: A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler.
Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.
A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.

As Meninas do Quarto 28
SINOPSE: As histórias do Holocausto ainda não foram todas contadas...
O que vem a sua mente quando você ouve falar em Segunda Guerra Mundial? Um nome, com certeza: Anne Frank e seu diário. Mas as vítimas do Holocausto têm tantos nomes e tantas histórias que precisamos contar! Não podemos esquecê-las. Helga, Flaška, Zajicek, Marta, Judith, Eva, Handa... Algumas das 15 sobreviventes do Quarto 28 do Abrigo para Meninas de Theresienstadt ainda estão entre nós. Elas não se deixam calar.
Muitos prisioneiros judeus passaram pelo campo de concentração Theresienstadt, uma cidade de faz-de-conta, encenada para desviar a atenção da imprensa e da Cruz Vermelha Internacional. Ali, no Quarto 28 do Abrigo para Meninas, moraram 60 crianças das quais somente 15 sobreviveram. Suas histórias, mescladas com fatos históricos e anotações do diário de Helga Pollak, desenhos infantis feitos durante aulas de desenho secretas e poesias escritas em álbuns de recordações, nos convidam para uma caminhada por Theresienstadt.
Neste livro, Hannelore Brenner conta essa história. Uma história feita de tristeza, amizade, compaixão e esperança.

As Mulheres do Nazismo
SINOPSE: Erna Petri, mulher de um oficial da SS, cometeu um crime nunca imaginável para uma jovem mãe. A secretária Liselotte Meier organizava a logística de massacres e fazia listas de deportações.
A grávida Vera Vohlau, com um casaco militar e chicote em punho, acompanhou o marido em uma execução em massa acompanhada por ele.
Durante muito tempo a participação das mulheres no Holocausto era associada apenas às guardas de campos de concentração. "As Mulheres do Nazismo" revela, pela primeira vez, quem foram as outras mulheres que tomaram parte nesse momento da História, como foram seduzidas pelo regime nazista e o que aconteceu com elas.

O impressionante relato de Wendy Lower sobre o papel das mulheres alemãs no Holocausto revira a História: A consagrada imagem da mulher alemã apenas como esposa leal e seguidora do Führer é ofuscada pelo relato da autora sobre as 500 mil jovens que, pela primeira vez, são posicionadas dentro dos campos de extermínio do Reich.
Este livro faz um relato convincente de uma "geração perdida" de jovens nascidas em uma Alemanha derrotada e tumultuada pelos efeitos da Primeira Guerra Mundial, logo assolada pelo fervor nacionalista. Essas mulheres - enfermeiras, professoras, secretárias, assistentes sociais, esposas e amantes - viram a expansão do império nazista como uma espécie de oportunidade de carreira e casamento, mas certamente não sabiam o que testemunhariam ou fariam. Contribuíram com mais do que com o conforto de carrascos alemães ou matando indiretamente pelo aparato burocrático do Reich: participaram do saque de bens e foram brutais com os judeus nos guetos da Polônia, Ucrânia e Bielorrússia. Estavam presentes em piqueniques nos campos de extermínio, não apenas oferecendo comida aos oficiais, mas também fazendo parte de assassinatos em massa.
"As Mulheres do Nazismo" desafia nossas convicções mais profundas: genocídio também é assunto de mulher e as evidências puderam ser escondidas por 70 anos. Consultora do Museu do Holocausto, a norte-americana Wendy Lower mostra, em As mulheres do nazismo, como uma geração de jovens alemãs enfermeiras, professoras, secretárias, entre outras anestesiadas pela propaganda hitlerista e movidas por um fervor nacionalista doentio enxergaram o nazismo como uma opção profissional ou quase matrimonial e colaboraram com o regime, sem vislumbrar os horrores que viriam depois. No livro, que foi finalista do National Book Award e ganhou destaque na imprensa internacional, Lower tenta decifrar o que levou tantas mulheres a se transformar em assassinas durante a Segunda Guerra Mundial, revelando uma faceta pouco conhecida do conflito.

Baú de Lágrimas
SINOPSE: Por meio século, um segredo terrível permaneceu escondido, Trancado em um baú no porão... “Baú de lágrimas: o diário secreto do holocausto” é um impressionante testemunho narrado por Nonna Bannister, uma mulher russo-americana que viu e sobreviveu a indescritíveis atrocidades quando era jovem. Por meio século, manteve sua história em segredo, enquanto levava uma vida normal e tranquila. Ela trancou todas as suas fotos, documentos, diários e as sombrias lembranças da Segunda Guerra Mundial em um baú. Mas, no final de sua vida, Nonna destrancou esse baú: primeiro para si mesma; em seguida, para seu marido, e depois para o resto do mundo. A história de Nonna é de sofrimento, tortura e morte, mas também de inacreditáveis atos de generosidade, que demonstram o último triunfo da fé e do amor sobre o desespero e as crueldades. Baú de lágrimas reproduz uma tragédia, mas incorpora elementos de perdão, coragem e esperança. 

Depois de Auschwitz
SINOPSE: Em seu aniversário de quinze anos, Eva é enviada para Auschwitz. Sua sobrevivência depende da sorte, da sua própria determinação e do amor de sua mãe, Fritzi. Quando Auschwitz é extinto, mãe e filha iniciam a longa jornada de volta para casa. Elas procuram desesperadamente pelo pai e pelo irmão de Eva, de quem haviam se separado. A notícia veio alguns meses depois: tragicamente, os dois foram mortos.

Este é um depoimento honesto e doloroso de uma pessoa que sobreviveu ao Holocausto. As lembranças e descrições de Eva são sensíveis e vívidas, e seu relato traz o horror para tão perto quanto poderia estar. Mas também traz a luta de Eva para viver carregando o peso de seu terrível passado, ao mesmo tempo em que inspira e motiva pessoas com sua mensagem de perseverança e de respeito ao próximo – e ainda dá continuidade ao trabalho de seu padrasto Otto, pai de Anne Frank, garantindo que o legado de Anne nunca seja esquecido.

O Anexo
SINOPSE: Das oito pessoas que viveram escondidas com Anne Frank no anexo de um armazém em Amsterdam, durante dois anos da Segunda Guerra, apenas uma resistiu à barbárie dos campos de extermínio: o pai de Anne Frank, que se encarregou de publicar os diários da filha sobre o período em que viveram reclusos. Em O anexo, a escritora inglesa Sharon Dogar faz com o personagem Peter van Pels, de quinze anos, o que Otto fez com Anne: dar a oportunidade para que “fale” sobre a vida naquele ambiente claustrofóbico.
Dogar inverte a perspectiva do diário da menina judia, fornecendo uma nova visão sobre os dois anos em que os Frank e os Van Pels (que Anne chamava de Van Daan em seus escritos) se esconderam dos nazistas. No período em que Peter ansiava pela liberdade das ruas e Anne se dedicava com afinco ao diário, ela imagina que os dois teriam se envolvido num romance furtivo.
Para além do diário, a ficção de Sharon Dogar narra de forma comovente a chegada dos nazistas ao esconderijo, a viagem de trem até o campo de concentração - quando homens e mulheres são separados - e a luta de Peter, seu pai e Otto Frank para sobreviver ao horror dos campos. A autora recria assim uma história imperdível para os fãs do famoso diário.

O Diário de Anne Frank
SINOPSE: "12 de junho de 1942 - 1° de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente seguiu para Auschwitz e mais tarde para Bergen-Belsen."


O Homem que Venceu Hitler
SINOPSE: Durante a II Guerra Mundial, um judeu de 13 anos, Chaim, é obrigado a separar-se dos pais que vão para o Gueto de Cracóvia. Depois de um ano, perseguido e exausto, enconde-se num porão onde é encontrado por uma bela polonesa, Anna, viúva de 30 anos. Ela leva o jovem para seu apartamento, o esconde, alimenta, cuida dele e depois de um tempo acabam se envolvendo. Após alguns meses morando juntos, Chaim, que precisa viver escondido dos vizinhos e amigos de Anna, acha que ela vai denunciá-lo às autoridades alemãs em troca de um quilo de manteiga e um quilo de açúcar (o que os alemães pagavam por cada judeu entregue). Com medo de ser denunciado aos nazistas, Chaim foge e chega ao Brasil. É a partir daí que se desenrola a trama de O homem que venceu Hitler, de Marcio Pitliuk, publicitário e especialista no Holocausto. Com uma narrativa não-linear, feita em flashbacks, e com um surpreendente final, este livro mistura ódio, amor, preconceito, medo, tensão e dor para transmitir ao leitor que tudo na vida tem duas mãos, dois pontos de vista, mas, mais que isso, que o preconceito e a intolerância que geraram o ódio, a guerra e o holocausto, e que ainda alimentam muitas pessoas, devem ser combatidos. 

O Menino do Pijama Listrado
SINOPSE: Bruno tem 8 anos e é filho de um oficial do exército alemão que assume um posto de extrema importância no interior da Alemanha nos anos 40. Isto faz com que sua família deixe Berlim e se mude para uma área desolada, onde não há muito o que fazer. Em um de seus frequentes passeios, ele conhece Shmuel, um garoto com mesma idade dele e que sempre está com um pijama listrado. Bruno passa a visitá-lo frequentemente, fazendo surgir entre eles uma amizade inesquecível que tocará os corações de todos.

O Violino de Auschwitz
SINOPSE:
Em tradução direta do idioma original, O violino de Auschwitz, da catalã Maria Àngels Anglada, integra uma importante vertente da ficção contemporânea, cujo tema geral pode ser sintetizado pela expressão dignidade na barbárie. Se os racistas pretendem diminuir a dimensão humana do objeto de seu ódio, os nazistas, por sua vez, pretendiam anulá-la inteiramente. A arte, porém, a rearfima. A história de O violino de Auschwitz se constrói então sobre uma magnífica e brutal ironia.

Os Outros Schindlers
SINOPSE: Os Outros Schindlers é um documento histórico de homens e mulheres que, independente de sua idade, profissão, religião ou nacionalidade, fizeram de suas vidas um ato de amor ao próximo e de valorização do ser humano, numa época em que qualquer ato de solidariedade aos perseguidos poderia ter consequências trágicas tanto para o salvador como para seus familiares. Mas, muito mais do que isso, o livro é uma forma de agradecimento a estes heróis ocultos que saíram de seu comodismo e decidiram fazer a diferença no período mais negro da História da Humanidade.
A obra divide os voluntários em três “categorias”: aqueles que resgataram pessoas por motivos religiosos, os que o fizeram por motivos humanitários e aqueles que tiveram outros motivos, seja por envolvimento com o grupo de resistência nazista, por lealdade aos refugiados ou até mesmo por interesse econômico – houve quem salvasse a vida de judeus em troca de pagamento. A autora mostra que, independente da motivação, estas ações foram fundamentais para a sobrevivência de milhares de pessoas – inclusive ela própria – e os reflexos destes atos permanecem até hoje. 

Sob o Fantasma do Holocausto
SINOPSE: A correspondência de uma família judaica é a inspiração para esta fascinante e comovente narrativa da vida de seus membros antes, durante e depois do Holocausto. Rebeca Boehling e Uta Larkey revelam como a família Kaufmann – Steinberg foi separada pelo regime nazista e se dispersou por três continentes. A correspondência singular da família ao longo de duas gerações coloca em foco o dilema dos judeus na Alemanha nazista ante a dolorosa decisão de emigrar e para qual país.

Uma Criança de Sorte
SINOPSE: Muito já foi escrito sobre os horrores do Holocausto, mas não há história mais emocionante que a de Thomas Buergenthal em Uma criança de sorte. À primeira vista, parece não existir sorte alguma em sua vida: ainda não tinha seis anos quando ele e seus pais foram obrigados a viver num gueto na Polônia e, em 1944, aos dez anos, foi enviado a Auschwitz com sua família. 
Após ser separado dos pais, o pequeno Thomas, forte e esperto, trabalha para escapar da morte nas câmaras de gás, e assim consegue resistir à tragédia que assolou o mais conhecido campo de concentração da Segunda Guerra Mundial. Quase um ano depois de sua chegada a Auschwitz e de sobreviver à Marcha da Morte e a Sachsenhausen — outro campo de concentração sob o comando da guarda alemã —, onde sofreu severamente com a fome e o frio, Thomas afinal estava livre... e sozinho. 
Thomas Buergenthal relata, nesta autobiografia traduzida para mais de dez idiomas, todos os incríveis detalhes de uma história comovente, para que o Holocausto seja finalmente compreendido “através dos olhos daqueles que sobreviveram a ele”.
Share on Google Plus

Sobre Francine Nunes

Quase química. Amante de livros, séries e filmes. Assim como o Cazuza, meus heróis morreram de overdose. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

0 comentários :

Postar um comentário