Laranja mecânica e a linguagem Nadsat


Laranja Mecânica
Laranja mecânica é um livro escrito por Anthony Burgess. A obra é uma distopia clássica inquietante e brilhante. Conta a história de Alex, um jovem com sérios problemas comportamentais. Junto com seus amigos ele aterroriza Londres praticando roubos, estupros e espancamentos.
O livro me chocou pela sua violência e a descrição detalhada dela. Alex e seus amigos eram maus, com todo o sentido maléfico da palavra. 
Os crimes de Alex são interrompidos quando ele é preso pela polícia e submetido a um novo tratamento, que promete regenerá-lo. Alex se torna menos que um ser-humano, incapaz de decidir sobre si mesmo e suas atitudes, além de se tornar um joguete nas mãos de políticos.
É a partir desse momento que somos levados a analisar um outro tipo de maldade contra o ser humano. Dessa vez uma crueldade mais sutil e dita "justificável", pois ela se sustenta sob o argumento do "bem maior". Quando concluí o livro concluí que Burgess me apresentou duas faces do mal e me fez sentir empatia pelo anti-herói, o Alex, após sua regeneração. Os conflitos vividos por ele nos faz pensar: "Quem é o monstro de verdade?"."A crueldade pode ser justificável?". "Quando cruzamos essa linha?".

Linguagem Nadsat
Anthony Burgess utilizou gírias ciganas, expressões eslavas e palavras rimadas para criar a linguagem Nadsat, que é composta por duzentas palavras.
A linguagem Nadsat me assustou no começo da leitura, eu recorria ao dicionário com muita frequência, mas após algumas páginas a leitura fluiu tranquilamente. Acredito que isso não ocorreu apenas comigo, mas com todos os leitores da obra.
A linguagem Nadsat me faz pensar em grupos restritos de pessoas, que utilizam gírias para se comunicarem. Esses grupos anseiam por exclusividade e ao criarem termos que só eles sabem o significado se sentem parte de algo importante. Se sentem importantes e isso é, muitas vezes, excitante. Afinal, quem não gosta de exclusividade? Por isso, acredito que Laranja Mecânica fez sucesso entre os jovens da época de seu lançamento. Eles precisavam de algo novo, uma linguagem com a qual pudessem se identificar e encontraram isso nas palavras Nadsat.
Esse fascínio dos jovens da época é também uma prova do que Burgess queria transmitir, o fato dos adultos se sentirem perdidos e excluídos com os termos utilizados pelos jovens, ou seja, a linguagem identifica quem faz parte do grupo e quem não faz..

Laranja mecânica é um livro fantástico, não só por causa da linguagem Nadsat, mas também pelos questionamentos que ele coloca em pauta. Uma das frases que me marcou no livro foi:
“Será que um homem que escolhe o mal é talvez melhor do que um homem que teve o bem imposto a si?” (página 156).

Curiosidade: O título do livro vem de uma expressão anglo-saxã: "As queer as a clockwork orange", que significa "Tão bizarro quanto uma laranja mecânica".
Segundo teorias, o título também seria um trocadilho, pois, foneticamente, orange tem semelhança com orangotango, ou seja: Homem mecânico, pois é o que o Alex se torna, um homem programado a fazer apenas o que lhe programaram para fazer.

 VOCABULÁRIO NADSAT
 Appypolly loggy  -   Apologia 

 Baboochka   -  Velha 

 Baddiwad  -   Mau 

 Banda  -   Banda 

 Bezoomy  -   Maluco 
 Biblio   -  Biblioteca 
 Bitva  -   Batalha 
 Bog   -  Deus 
 Bolnoy  -   Doente 
 Bolshy  -   Grande 
 Bratchny  -   Bastardo 
 Bratty  -   Irmão 
 Britva   -  Navalha 
 Brooko  -   Abdómen 
Brosay  -   Lançar 
 Bugatty  -   Rico 
 Cal  -   Merda 
 Cancer  -   Cigarro 
 Cantora  -   Office 
Chai  -   Chá 
 Charlie  -   Capelão 
 Chasha   -  Taça 
 Chasso  -   Guarda 
 Cheena  -   Mulher 
 Cheest   -  Lavar 
 Chelloveck   -  Bolseiro 
 Chepooka   -  Sem sentido 
 Choodessny   -  Maravilha 
 Chumble   -  Gagueja 
 Clop Pater   -   na porta 
 Cluve  -   Bico 
 Collocol   -  Sino 
 Crark  -   Miado 
 Crast  -   Roubar 
 Creech   -  “Grito” de pânico 
 Cutter   -  Dinheiro 
 Ded   -  Velho 
 Deng   -  Dinheiro 
 Devotchka   -  Garota 
 Dobby   -  Bom 
 Domy   -  lar 
Dook  -   Fantasma 
Dorogoy   -  Valiosa 
Drat   -  Briga 
Drencrom  -   Droga
Droog   -  Amigo 
Dva   -  Dois 
Eegra  -   Jogo 
Eemya  -   Nome 
Eggiweg  -   Ovo 
Em  -   Mãe 
Fagged   -  Cansado
Filly   -  Jogar 
Firegold  -   Uma bebida especial 
Forella  -   Peixe – truta 
Gazetta   -  Jornal 
Glazz  -   Olho 
Gloopy  -   Estúpido 
Godman   -  Padre 
Golly   -  Unidade de Dinheiro 
Goloss   -  Voz 
Goober   -  Lábio 
Gooly   -  Trabalhar 
Gorlo  -   Garganta 
Govoreet   -  Para falar ou conversar 
Grazhny  -   Sujo 
Grazzy   -   Sujas 
Gromky  -   Alto 
Groody  -   Peitos 
Gruppa   -  Grupo 
Guff  -   Risada 
Gulliver   -  Cabeça 
Guttiwuts   -  Tripas 
Hen-korm  -   Comida de frango 
Horn Para Gritar 
Horrorshow  -   Legal 
Hound-and-Horny  -   Milho 
In-out-in-out  -   Sexo 
Interessovat  -   interesse 
Itty   -  Ir 
Jammiwam   -  Geléia 
Jeezny   -  Vida 
Kartoffel   -  Batatas 
Keeshkas   -  Tripas 
Kleb  -   Pão 
Klootch   -  Chave 
Knopka  -   Botão 
Kopat   -  Jogar no buraco 
Koshka  -   Gato 
Kot  -   Gato macho 
Krovvy   -  Sangue 
Kupet   -  Comprar 
Lapa  -   Pegada 
Lewdies   -  Pessoas 
Litso  -   Rosto 
Lomtick   -  Divida 
Loveted   -  Capturado 
Lubbilubbing  -   Fazendo sexo 
Luscious Glory  -   Cabelo 
Malchick  -   Garoto 
Malenky  -   Pouco / Pequeno 
Maslo   -  Manteiga 
Merzky  -   Imundo 
Messel   -  Pensamento 
Mesto  -   Lugar 
Millicent  -   Policial 
Minoota  -   Minuto 
Molodoy  -  Jovem 
Moloko   -  leite 
Moodge  -   Homem 
Morder   -  Focinho 
Mounch  -   Cobra 
Mozg  -   Cérebro 
Nachinat  -  Começar 
Nadmenny   -  Arrogante 
Nagoy   -  Pelado 
Nazz  -   Bobo 
Neezhnies   -  Cuecas 
Nochy  -  Noite 
Noga   -  Pé 
Nozh  -   Faca 
Nuking  -   Cheirar (perfume) 
Oddy-knocky   -  Solitário 
Odin  -  Um 
Okno  -   janela 
Oobivat  -   Matar 
Ookadeet  -   Deixar / Sair 
Ooko  -   Espiga 
Oomny   -  Esperto 
Oozhassny  -   Terrível 
Oozy  -   Cadeia 
Orange  -   Homem 
Osoosh  -   beber 
Otchkies   -  Óculos 
Pan-handle  -   Ereção 
Pee  -   Pai 
Peet   -  Beber 
Pishcha   -  Comida 
Platch  -   Chorar 
Platties  -   Roupas 
Plenny  -   Prisioneiro 
Plesk  -   Splash 
Pletcho  -   Ombro 
Plott  -   Carne humana 
Podooshka  -   Almofada 
Pol  -   Sexo 
Polezny  -   Útil 
Polyclef  -   Esqueleto-chave 
Pony   -  Compreender 
Poogly  -   Assustado 
Pooshka   -  Arma 
Pop-disk  -   Disco de música Pop 
Prestoopnik   -  Criminal 
Pretty Polly   -  Dinheiro 
Privodeet   -  Para levar em algum lugar 
Prod   - Produzir 
Ptitsa  -   Garota 
Pyahnitsa  -   Bebado 
Rabbit   -  Trabalho 
Radosty  -  Brincadeira 
Raskazz  -   História 
Rasoodock  -   Mente 
Raz   -  Tempo 
Razdrez  -   Perturbar 
Razrez  -   Morrer 
Rooker  -   Mão 
Rot   -  Boca 
Rozz  -   Policial 
Sabog  -   Sapato 
Sakar  -   Açucar 
Sammy   -  Generosa 
Sarky  -   Sarcástico 
Scoteena   -  vaca (animal) 
Shaika  -   Gangue 
Sharp   -  Fêmea 
Sharries   -  Bolas 
Shest  -   Pólo 
Shilarny  -  Preocupação 
Shive  -   Cortar 
Shiyah  -   Pescoço 
Shlaga   -  Clube 
Shlapa   -  Chapéu 
Shlem  -   Capacete 
Shoom   -  Ruído 
Shoot   -  Bobo 
Sinny  -   Filme 
Skazat   -  Falar 
Skolliwoll   -  Escola 
Skorry   -  Rápida 
Skriking  -   Arranhão 
Skvat   -  Pegando 
Sladky   -  Doce 
Sloochat  -   Acontecer 
Slooshy   -  Ouvir 
Slovo   -  Palavra 
Smeck  -   Rir 
Smot  -   Olhar 
Sneety  -   Sonho 
Snoutie   -  Tabaco 
Snuff It   -  Morrer 
Sobirat   -  Para pegar 
Sod  -   Bastardo 
Sodding  -   Fodendo 
Soomka  -   Mulher 
Soviet   -  Conselho 
Spat, spatchka  -   Dormir 
Spoogy  -   Aterrorizados 
Staja   -  Preso 
Starry   -  Velho 
Strack  -   Horror 
Synthmesc  -   Um determinado medicamento 
Tally  -   Cintura 
Tashtook  -   Lenço 
Tass  -  Taça 
Tolchock   -  Tacar 
Toofles  -   Pantufas 
Tree  -   Três 
Vareet   -  Cozinhar 
Vaysay   -  Banheiro 
Veck  -   Menino 
Vellocet   -  Um determinado medicamento 
Veshch   -  Coisa 
Viddy  -   Ver 
Voloss  -   cabelo 
Von  -   Cheiro 
Warble  -   Son 
Yahma  -   Buraco 
Yahoody  -   Judeu 
Yahzick   -  Lingua 
Yarbles   -  Testículos 
Yeckate  -   Dirigir 
Zammechat  -   Notáveis 
Zasnoot   -  Dormir 
Zheena   -  Esposa 
Zoobies  -   Dentes 
Zvonock   -  Campainha 
Zvook  -   Som
Share on Google Plus

Sobre Francine Nunes

Quase química. Amante de livros, séries e filmes. Assim como o Cazuza, meus heróis morreram de overdose. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

10 comentários :

  1. Realmente, para quem lê esse livro pela primeira vez, assusta um pouco, mas acho que depois, leva numa boa.

    ResponderExcluir
  2. Eu sou apaixonada pela edição de 70 anos do livro (em capa dura e perfeita) de tanto que namorei ela na livraria. Infelizmente outros livros entraram na frente e eu ainda não tenho. Ler sua resenha (e saber da linguagem Nadsat que eu não conhecia) me deixou arrependida de ainda não ter lido o livro - coisa que preciso fazer o quanto antes.
    Espero encontrar a edição perfeita na Black Friday assim não terei mais desculpas...
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa versão é muito linda <3
      Não sei se ainda tem para vender, mas se tiver que venha com um descontão nessa Black Friday.
      Abs

      Excluir
  3. Oie tudo bem? Adorei o post, já tinha ouvido falar que a linguagem deste livro era bem complicada, mas não imaginava o quanto. Ainda não li, mas tenho muita vontade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que você leia e goste!
      O livro é fantástico <3

      Excluir
  4. OIEE
    Eu nunca li a obra, só assisti ao filme e acabei me perguntando como o povo cultua tanto um personagem tão perverso quanto o Alex, o livro tem uma mensagem bem forte e marcante, quero ler ainda adorei saber mais sobre essa linguagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No livro o personagem Alex é abordado de uma forma bem mais convincente e até mais chocante. Acredito que você encontrará a resposta para essa pergunta no livro...
      Abs ^^

      Excluir
  5. Oiii
    Eu nunca li essa obra mas tenho muita vontade, porém acho que seria uma boa ler o filme primeiro para entender o contexto e a linguagem.
    Bjs
    https://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bárbara!
      Acredito que um complementa o outro, mas como sempre: eu prefiro o livro hehe

      Excluir