Annabel Lee: O amor imortal de Edgar Allan Poe





















Foi há muitos e muitos anos já,
Num reino de ao pé do mar.
Como sabeis todos, vivia lá
Aquela que eu soube amar;
E vivia sem outro pensamento
Que amar-me e eu a adorar.

Eu era criança e ela era criança,
Neste reino ao pé do mar;
Mas o nosso amor era mais que amor —
O meu e o dela a amar;
Um amor que os anjos do céu vieram
a ambos nós invejar.

E foi esta a razão por que, há muitos anos,
Neste reino ao pé do mar,
Um vento saiu duma nuvem, gelando
A linda que eu soube amar;
E o seu parente fidalgo veio
De longe a me a tirar,
Para a fechar num sepulcro
Neste reino ao pé do mar.

E os anjos, menos felizes no céu,
Ainda a nos invejar…
Sim, foi essa a razão (como sabem todos,
Neste reino ao pé do mar)
Que o vento saiu da nuvem de noite
Gelando e matando a que eu soube amar.

Mas o nosso amor era mais que o amor
De muitos mais velhos a amar,
De muitos de mais meditar,
E nem os anjos do céu lá em cima,
Nem demônios debaixo do mar
Poderão separar a minha alma da alma
Da linda que eu soube amar.

Porque os luares tristonhos só me trazem sonhos
Da linda que eu soube amar;
E as estrelas nos ares só me lembram olhares
Da linda que eu soube amar;
E assim ‘stou deitado toda a noite ao lado
Do meu anjo, meu anjo, meu sonho e meu fado,
No sepulcro ao pé do mar,
Ao pé do murmúrio do mar.
Share on Google Plus

Sobre Francine Nunes

Quase química. Amante de livros, séries e filmes. Assim como o Cazuza, meus heróis morreram de overdose. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

16 comentários :

  1. Ah que triste e macabro!
    Pobrezinho do amor! Maldita a inveja cruel é a morte. Torturante a saudade.
    Amei!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. A capa é uma lindeza! A poesia é belamente construída, a angústia, a tristeza e a dor estão presentes e tangíveis. Só me cansa um pouco esse repetição de trechos, mas sei que em poesia e músico isso é comum. Gostei muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gosto de poesia que retrata bem o que se propõe, como nessa: A angústia, a tristeza, a dor...
      Se tratando de Poe não poderia esperar menos né?
      Abs e obg pela visita!

      Excluir
  3. Olá! Eu ouvi mesmo Edgar Allan Poe? Amei!!!
    Lindo e macabro! simplesmente amei!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oiii!!!
    Parabéns pela poesia amei. Foi escrita carregada de sentimentos.
    Nunca li nada de Edgar Allan Poe, mas pretendo ler com certeza.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os textos de Poe são lindos. Eu comprei um livro dele com vários contos, vou ler e postar resenha pra vcs.
      Abs ^^

      Excluir
  5. Olá!
    Apesar do poema ser bem triste, confesso que amei a capa, muito fofa!!

    Beijokas

    ResponderExcluir
  6. Oiee Francine ^^
    Eu ainda não li nada do Poe, mas tenho alguns contos dele aqui em espanhol (só criando coragem para ler...hehe'). Gostei da poesia, achei bem profunda, e um pouco triste. Eu tenho uma coisa com poemas, sempre gosto mais do final deles...hehe'
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca li contos ou livros em espanhol, quero ler cem anos de solidão, mas acho que é melhor começar pela versão em português mesmo.
      Abs ^^

      Excluir